Boletim para Educadores

2º QUADRIMESTRE

O ACERVO DO MUSEU FELÍCIA LEIRNER E SUAS DIVERSAS POSSIBILIDADES PEDAGÓGICAS

“A curiosidade é o impulso para aprender.”

Maria Montessori

Os primeiros museus no Brasil surgiram no século XIX com o olhar voltado para a difusão e a valorização do saber, das produções artísticas e culturais, viabilizando o fomento à modernização e à transformação da sociedade. Ao longo do tempo, a democratização ao acesso a esses espaços culturais resultou no aumento e na diversificação do público que não tinha mais suas demandas atendidas em apenas conhecer as exposições. Na segunda metade do século XX, os museus se consolidam como instituições essencialmente educativas e se voltam para as dimensões educacionais e comunicativas, com o objetivo de assegurar aos visitantes a apreciação e o entendimento do acervo, para tanto, adotaram estratégias pedagógicas que tornaram as exposições mais acessíveis, proporcionando ao visitante a aquisição de um conhecimento mais significativo (MARANDINO, 2008).

Observa-se que ao longo do tempo os museus passam a explorar com mais intensidade as suas variadas áreas educativas e comunicativas. As instituições museológicas são identificadas como espaços de educação não formal por possuírem uma forma própria de desenvolver suas práticas pedagógicas. Para a pesquisadora Almeida (1997, p. 50) a “educação em museus, além de complementar o currículo formal, é exercício da efetividade e preservação da memória e do patrimônio cultural”. Neste boletim para educadores será possível conhecer o acervo do Museu Felícia Leirner em suas diversas possibilidades pedagógicas que abrange áreas interdisciplinares do ensino escolar.

De acordo com Almeida (1997) as ações educativas promovidas pelos museus ampliam a possibilidade de exploração dos acervos, para que os visitantes intensifiquem a criticidade em relação à sua realidade e dos meios nos quais estão inseridos. Há tempos, a equipe educativa do Museu e Auditório tem elaborado e realizado atividades educativas junto a instituições escolares, realizando ações que envolvem as temáticas: Artes Visuais, Música e Meio Ambiente, fundamentadas na Base Nacional Comum Curricular. Com o objetivo de garantir a aprendizagem e o desenvolvimento pleno de todos os estudantes, realizam-se encontros tanto nos equipamentos culturais, quanto no próprio ambiente escolar.

O setor educativo do Museu Felícia Leirner e Auditório Claudio Santoro, a partir dos seus eixos temáticos, promove atividades pedagógicas que são oferecidas às escolas e também podem ser ferramentas auxiliares para professores das mais variadas disciplinas escolares. Os ambientes museológicos, por meio de suas intensas interações sociais, promovem a curiosidade e o questionamento, e propiciam ganhos cognitivos e afetivos para o estudante (CAZELLI; MARANDINO; STUDART, 2003). Um exemplo disso é a exposição virtual “Novos Olhares Sobre a Coleção de Felícia”, disponível para acesso em nosso site. Na mostra orientada pelas nossas equipes, munidos de materiais e informações importantes sobre a artista, baseados em pesquisas, os estudantes produziram suas próprias obras de artes. Essas produções foram expostas durante as mostras pedagógicas de final de ano de cada escola, permitindo a difusão do tema entre toda a comunidade escolar, pais e munícipes envolvidos.

O Museu e Auditório ofertam práticas pedagógicas em diversas disciplinas escolares. A vida e a trajetória artística tanto da escultora, quanto do maestro, possibilitam refletirmos sobre: a história, ao falarmos do contexto histórico do nascimento e morte; da geografia, quando abordamos as regiões de origem; da geopolítica, ao tratarmos questões políticas que influenciaram os artistas; e da arte, ao nos referirmos às técnicas utilizadas.

Além de escultora, Felícia Leirner escreveu textos e poemas que estão reunidos no livro “Textos Poéticos e Aforismos de Felícia Leirner” – (Perspectiva, 2014). Esse material pode ser utilizado em aulas de português, redação e literatura.

Não são apenas as disciplinas de Ciências Humanas que encontram conteúdos no museu que podem ser aplicados em sala de aula. A estrutura física do museu e do auditório oportunizam estudos sobre os fenômenos do eco e da reverberação, da análise de ângulos, massa, densidade, áreas e dimensões. Esses campos de investigação estão presentes nas Ciências Exatas, como em aulas de matemática e física, em cursos de engenharia e edificações, dentre outros.

Ademais, nossos espaços culturais estão localizados em um fragmento da Mata Atlântica, sendo uma área de preservação ambiental, no qual encontramos as matas de araucárias. Tais características abrem caminho para abordarmos temas das Ciências Biológicas, como: preservação e conscientização ambiental, fauna e flora local, espécies e reprodução de plantas, semeadura do pinhão, por exemplo, entre outros. Conhecer esses aspectos gera nos visitantes o sentimento de pertencimento e a necessidade de cuidar e conservar o ecossistema da região.

Todos esses conteúdos são adaptados conforme as necessidades, idade e o que irá suprir as expectativas de cada grupo escolar que visita o Museu e Auditório. Recebemos estudantes de todas as séries, desde o maternal até cursos de graduação. A visita educativa no acervo do Museu Felícia Leirner considera a formação do indivíduo além da transmissão de conteúdos, leva-se em conta a construção do conhecimento por meio da partilha e da troca entre os envolvidos e as instituições, para que possamos contribuir com a perpetuação do pensamento crítico e reflexivo dos alunos visitantes.

Referências

MARANDINO, M. (org). Educação em museus: a mediação em foco/ Organização Martha Marandino — São Paulo, SP: Geenf / FEUSP, 2008.

ALMEIDA, A. M. (1997). Desafios da relação museu-escola. Comunicação & Educação, (10), 50-56. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9125.v0i10p50-56.

CAZELLI, S., MARANDINO, M., STUDART, D. Educação e Comunicação em Museus de Ciências: aspectos históricos, pesquisa e prática In: Educação e Museu: a construção social do caráter educativo dos museus de ciências ed.Rio de Janeiro : FAPERJ, Editora Access, 2003.

https://www.museufelicialeirner.org.br/expo-novos-olhares-sobre-a-colecao-de-felicia/index.html

Felícia Leirner: textos poéticos e aforismos / organização J. Guinsburg e Sergio Kon – 1. ed. – São Paulo: Perspectiva, 2014.

MUSEU FELÍCIA LEIRNER E AUDITÓRIO CLAUDIO SANTORO. Plano Museológico. ACAM Portinari: Campos do Jordão, 2021.

MUSEU FELÍCIA LEIRNER E AUDITÓRIO CLAUDIO SANTORO. Programa Educativo e Cultural. ACAM Portinari: Campos do Jordão, 2021.

1º QUADRIMESTRE

MUSEU FELÍCIA LEIRNER E SUSTENTABILIDADE: AÇÕES EDUCATIVAS E O COMPROMISSO COM O FUTURO.

“Satisfazer as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazer as suas próprias necessidades.”

Nosso Futuro comum, Brundtland, 1987

Durante anos, o homem se considerou o dominador da natureza, acreditando que os recursos naturais eram uma fonte inesgotável, tendo como papel principal de servir o bem-estar humano e o desenvolvimento econômico, transformando-se, portanto, em uma sociedade consumista, onde indústrias e fábricas extraiam o máximo de recursos do planeta para acumular riquezas e satisfazer o consumo exagerado da sociedade, sem se preocupar com a natureza e as futuras gerações. Estabelecer o desenvolvimento sustentável da nossa sociedade é fundamental para garantir que as próximas gerações encontrem um planeta com recursos suficientes para uma sobrevivência saudável. Pensando nisso, o primeiro boletim para educadores de 2022 traz como tema as ações educativas que têm compromisso com o futuro.

Em 1972, a Conferência de Estocolmo, primeiro evento realizado pela Organização das Nações Unidas (ONU) para discutir questões ambientais de maneira global, teve como objetivo discutir as consequências da degradação do meio ambiente. O encontro também abordou as políticas de desenvolvimento humano e a busca por uma visão comum de preservação dos recursos naturais.  Essa conferência foi de extrema importância para controlar o uso dos recursos naturais pelo homem, e lembrar que grande parte destes, além de não serem renováveis quando removidos da natureza em grandes quantidades, deixam uma lacuna, às vezes irreversível, cujas consequências serão sentidas futuramente. Desde então, a história do desenvolvimento sustentável passou a ser construída: Relatório de Brundtland (1987), AGENDA 21 (Rio 92), ODM (2000 – 2015), Rio +20 (2012) e os 17 Objetivos do Desenvolvimento sustentável (2015) AGENDA 2030.

Como Organização Social, a ACAM Portinari tem como missão gerir as unidades museológicas por meio de pesquisas, conservação e difusão dos acervos, com responsabilidade socioambiental, contribuindo para o desenvolvimento humano e comprometendo-se com a justiça social, a democracia e a cidadania. O Programa de Sustentabilidade Ambiental da ACAM Portinari tem como motivo: cumprir missões de preservação e comunicação de patrimônio com sustentabilidade ambiental, visando à redução dos impactos ambientais das atividades dos espaços culturais, e assegurar à comunidade que cada museu é parceiro e exemplo no bom uso dos recursos naturais. Baseando nesses princípios, apresentaremos a seguir algumas das ações educativas do Museu Felícia Leirner e Auditório Claudio Santoro que objetivam a conscientização e a preservação dos recursos naturais.

Visando proporcionar o maior contato com a natureza, as atividades Caça ao Tesouro Ambiental, Natureza Sensorial, Brincando com a Natureza, Descobrindo a Natureza, Cores da Mantiqueira, Você conhece nossa flora? e Relação com a Natureza têm como intuito demonstrar a relação obra/natureza e homem/natureza utilizando o acervo do museu, e apresentando aspectos importantes da fauna e flora local, enfatizando a importância da valorização e preservação do meio ambiente. Ainda com o objetivo de aprender sobre a fauna local, a ação Animais da Mata Atlântica utiliza materiais reaproveitados para confeccionar fantoches inspirados nos animais que estão presentes em uma área de aproximadamente 35mil² e que fazem parte de um importante remanescente de Mata Atlântica em Campos do Jordão (SP).

As atividades Aproveitando o que sobrou, Os três erres e eu, Confecção de Instrumentos Musicais incentivam a reutilização e o reaproveitamento de materiais que seriam descartados, realçando o consumo consciente e o descarte correto dos materiais. A contação de história Uma Gota Aventureira narra de forma simples e lúdica aspectos importantes sobre o ciclo da água, as formas de tratamento de esgoto, além de ressaltar a importância da economia de água, reconhecendo o valor do solo e da água para a vida, identificando seus diferentes usos e os impactos deles no cotidiano da cidade e do campo. Além de atividades que incentivam o reaproveitamento de materiais que iriam para o lixo, elementos encontrados na natureza local também fazem parte de ações educativas, como o Construindo Pássaros, por exemplo, que proporciona a criação de pássaros utilizando materiais naturais encontrados no Museu, tais como folhas, galhos, gravetos e sementes, valorizando assim a percepção em relação à natureza, objetivando a sua importância e ressignificando os materiais de forma lúdica.

Vale lembrar ainda que os projetos citadas acima fazem parte de uma gama extremamente ampla de atividades realizadas junto ao público e que, além das ações promovidas pela equipe educativa, todos os setores do Museu Felícia Leirner e Auditório Claudio Santoro trabalham em conjunto na busca por objetivos e compromissos institucionais visando à proteção das funções ecológicas, da biodiversidade e das condições ambientais da vizinhança, bem como a redução da emissão de gases do efeito estufa, economia do uso de água, energia elétrica e combustíveis, do consumo de materiais e a produção de lixo, evitando a poluição do ar, da água e do solo, minimizando danos ambientais da cadeia produtiva de materiais e serviços adquiridos, além de informar a comunidade sobre as ações de sustentabilidade ambiental.

Lembramos ainda que a equipe educativa mantém presença ativa na Câmara Técnica de Educação Ambiental – Parque Estadual Campos do Jordão, já mencionada em boletins anteriores, e está sempre aberta a firmar novas parcerias com o interesse de desenvolver ações que busquem práticas sustentáveis, além do constante estudo sobre o tema para criação de novas atividades, garantindo que as gerações futuras possam viver em um mundo mais equilibrado, que evolua sem causar danos aos ecossistemas e sem prejudicar o futuro do planeta.

Referências

  1. Sustentabilidade das Instituições e Processos Museais Ibero-Americanos  ̶ A construção de um Marco Conceitual Comum, apresentado por Patrícia Albernaz – Novembro, 2019
  2. SUSTENTABILIDADE EM MUSEUS: DO CONCEITO À PRÁTICA SECRETARIA DE CULTURA E ECONOMIA CRIATIVA – Unidade de Preservação do Patrimônio Museológico – Sistema Estadual de Museus de São Paulo – 22 de Novembro de 2019
  3. Programa de Sustentabilidade Ambiental – MUSEU FELÍCIA LEIRNER E AUDITÓRIO CLAUDIO SANTORO PLANO MUSEOLÓGICO 2018 rev. 2020
  4. https://brasil.un.org/pt-br/sdgs

4º TRIMESTRE

AS REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTAS DE APOIO ÀS AÇÕES EDUCATIVAS

“O principal objetivo da educação é criar pessoas capazes de fazer coisas novas e não simplesmente repetir o que as outras gerações fizeram.”

Jean Piaget

As redes sociais são agentes facilitadores de conexões sociais entre pessoas e têm ganhado, cada vez mais, espaços na vida da sociedade, operando em níveis diversos, permitindo o compartilhamento de informações e conectando pessoas a partir de interesses ou valores em comum. Desde o início da pandemia, devido à Covid-19, as redes sociais têm tido um importante papel na relação entre os públicos e as instituições como ferramenta de apoio as suas ações e programações. Esse é o tema do último boletim para educadores de 2021.

Existem diversas vantagens em fazer parte das redes sociais e é por isso que, ao longo dos anos, o crescimento do uso dessas ferramentas têm sido significativo. Elas aproximam pessoas que vivem em locais mais distantes, possibilitam a interação em tempo real, facilitam a relação com quem está mais perto, além do alcance a um maior número de pessoas que compartilham experiências e informações.

Considerando que “Os museus estão entre as instituições mais antigas da humanidade; são instituições que viajaram pelos tempos, que podem melhorar o presente e influenciar o futuro, através das reflexões que operam como lugares de representação, como polos educativos, geradores e disseminadores de conhecimento, promotores da cidadania, que valorizam as identidades culturais em suas formas de expressão cotidiana, ritual e material” (ANGELICA FABBRI, 2011, P.50), na rotina educativa do Museu Felícia Leirner e Auditório Claudio Santoro, o uso das redes sociais foi fundamental para a continuação de suas ações e atividades com os mais diversos públicos, sendo possível levar a pessoas das mais variadas idades e localidades as vertentes trabalhadas no museu e auditório: artes visuais, música e meio ambiente.

Para inserir o setor educativo nas redes sociais foi necessário adaptar os conteúdos de atividades que, até então, eram realizadas presencialmente, para que fossem disponibilizadas na plataforma virtual. Além disso, contou com a criação de novos conteúdos, planejados especificamente para as mídias, estudo e aprimoramento da equipe para a gravação de vídeos e a intimidade com as câmeras, como a adequação dos temas das ações para cada tipo de rede social, pois público e os objetivos se diferem em cada rede.

Museu e Auditório estão presentes nas redes: Instagram, Facebook, Twitter, Youtube e TikTok,  ferramentas com um grande número de alcance de visualizações, ferramentas que possibilitam realizar atividades, jogos, brincadeiras e curiosidades, visando sempre à qualidade das ações e permitindo a interação com o público, programações musicais e teatrais também integram a lista de ações compartilhadas em nossas redes sociais, assim como as lives que abordam diversos assuntos, atingindo pessoas de todo mundo que possam participar em tempo real.

A educação é uma das principais funções a todos os museus. No contexto atividades de preservação, conservação e comunicação de seus acervos é por meio da ação educativa que os museus exercem seu papel na transformação social e na interpretação da cultura e da memória. Sendo assim, as ações executadas buscam o desenvolvimento, a aprendizagem e o aprimoramento de habilidades e competências levando crianças e adultos a um processo ativo de conhecimento, apropriação e valorização de sua herança cultural. Ainda, as atividades são elaboradas e baseadas também em diálogo com os objetivos e parâmetros da Base Nacional Comum Curricular, proporcionando a participação, convivência, brincadeira, exploração, expressão e o autoconhecimento. Além disso, as programações realizadas também serviram de apoio ao planejamento curricular de algumas escolas do município de Campos do Jordão, onde os conteúdos postados integraram aulas virtuais para diversas faixas etárias.

Vale ressaltar que os museus são locais para o diálogo e para a preservação das identidades e da diversidade natural e cultural, lugares para diversão, encontro e aprendizagem. Apesar das redes sociais terem se tornado uma ferramenta de apoio as ações educativas e de aproximação com o público, elas não podes ser vista como substituta da vida presencial nos museus, da relação dos indivíduos e das comunidades com seu patrimônio e elos de integração social, do contato pessoal, da troca e da vivência particular de cada indivíduo em um espaço cultural, que sempre será a maior e melhor experiência.

Diante aos acontecimentos que levaram o setor a uma reformulação e readaptação de suas atividades nos últimos tempos, encerramos o ano de 2021 com a certeza de que a equipe de educadores do Museu Felícia Leirner e Auditório Claudio Santoro está sempre em busca de novos desafios e novos formatos que busquem contemplar os mais variados públicos, mantendo a qualidade e excelência em suas realizações e promovendo o contato com as atividades e ações dos equipamentos culturais, seja presencial ou virtualmente. E fica aqui o convite: não deixe de nos acompanhar em nossas redes sociais.

Referências

Museus: O que são e para que servem?  SISEM–SP (Organizador) São Paulo, 2011.  (Coleção Museu Aberto)

Que público é esse? Formação de públicos de museus e centros culturais Luciana Conrado Martins…[et al.]. – 1. ed. – São Paulo: Percebe, 2013

Museu e Turismo: ESTRATÉGIAS DE COOPERAÇÃO – BRASÍLIA, DF: IBRAM, 2014.

http://www.sabermuseu.museus.gov.br/educacaomuseal/

http://resultadodigitais.com.br/especiais/tudo-sobre-redes-sociais/

3º TRIMESTRE

Museu e Auditório e sua parceria com a Câmara Técnica de Educação Ambiental PECJ

“A pessoa conscientizada tem uma compreensão diferente da história e de seu papel. Recusa-se acomodar-se, mobiliza-se, organiza-se para mudar o mundo.”

Paulo Freire

O Museu Felícia Leirner e Auditório Claudio Santoro estão situados em uma importante reserva da Mata Atlântica que abriga, conforme estudo realizado pela ACAM Portinari em 2011, diversas espécies de plantas, árvores e animais. O Museu tem o compromisso de proteger e valorizar o ecossistema, fortalecendo-se como parceiro de unidades de conservação e referência em comunicação ambiental sobre a região e integrando-se ao mosaico de florestas preservadas, com manejo que inclui proteção da biodiversidade e recuperação de áreas degradadas

Visando a proteção, preservação e valorização da fauna e flora, a equipe de educadores do museu e auditório participa, desde 2019, da Câmara Técnica de Educação Ambiental – CTEA – do Parque Estadual Campos do Jordão. Um colegiado que surgiu a partir do Conselho Gestor, como Grupo de Trabalho no ano de 2017 e foi consolidado como Câmara Técnica em 2019, devido à necessidade de desenvolver o Subprograma de Gestão de Educação Ambiental presente no Plano de Manejo do Parque. Sendo assim, o CTEA desenvolve as atividades previstas no programa de Educação Ambiental e Comunicação – PEAC – reunindo instituições e membros da sociedade civil que tem como interesse comum a preservação do meio ambiente. Destaca-se, então, neste boletim, algumas atividades já realizadas com o CTEA PECJ e seus parceiros. 

Em 2019 e 2020, a equipe de educadores do Museu Felícia Leirner e Auditório Claudio Santoro participou da 4º e 5º edição do Curso Águas de Campos, voltado para professores da Educação Infantil e Fundamental I, parceria entre Secretaria de Educação e o Parque Estadual Campos do Jordão, que resultou em uma colaboração também com o Museu e Auditório. O curso ofereceu um aperfeiçoamento de informações referentes à fauna, à flora e às águas (nascentes, fontes e rios) de Campos do Jordão, cuja proposta era a elaboração de projetos e atividades que foram realizadas pelos professores com os estudantes em comemoração ao Dia da Água (22 de março).

Em celebração ao Global Big Day, evento mundial que ocorre anualmente entre observadores de pássaros, a equipe do Museu e Auditório juntamente com 32 outros passarinheiros, de várias cidades e diferentes estados, verificaram 67 espécies de aves, inclusive a observação do primeiro registro de Cais Cais, espécie até então nunca vista no município, aprendendo mais sobre as aves locais. Foi realizado também o Passeio Ciclístico – em comemoração ao Dia Nacional da Mata Atlântica –, com início na Praça Ministro Sérgio Mota e terminou às margens da represa Monte Carlo, onde foi feita a coleta de lixo do entorno da represa e depois o plantio de 70 mudas nativas. Essa ação contou com moradores da cidade e principalmente moradores do bairro Monte Carlo que fica próximo a represa.

Houve participação da equipe do Museu Felícia Leirner e do Auditório Claudio Santoro em ações voltadas à limpeza de rios da cidade, como a “Limpeza do Rio Sapucaí”, localizado no Parque Estadual Horto Florestal. Foram coletados 290 kg de resíduos das margens do rio, sendo estes garrafas pet, isopor, garrafas de vidro, plástico, entre outros. A ação contou com voluntários de diversos setores (IFSP, Rancho Santo Antônio, PECJ, etc.). Todos os resíduos coletados

foram doados para a ONG Recicla +. E em parceria com a Câmera Técnica Ambiental e outras instituições e moradores da Cidade de Campos do Jordão, a equipe educativa do Museu e Auditório esteve presente na ação “Limpeza das Águas”, nas margens das águas do Rio Sapucaí-Guaçú, no Parque Estadual Campos do Jordão, totalizando 50 voluntários. A equipe do educativo participou dessa ação juntamente com os setores de programação, acervo e edificação do Museu Felícia Leirner e Auditório Claudio Santoro. Essa ação, promovida por meio de um mutirão de limpeza, teve um papel educativo e de conscientização sobre o descarte inadequado e a destinação correta dos resíduos sólidos. Cerca de 446 quilos de lixo foram recolhidos no local.

Os educadores do Museu e Auditório também participaram do curso de formação oferecido pelo PEACE (Projeto Educação Ambiental para Corações Ecológicos), que é parceiro na Câmara Técnica de Educação Ambiental. O curso ministrado “Espécies de árvores da região de Campos do Jordão e sua importância na conservação dos recursos hídricos”, ofertado pela Educadora Ambiental Ana Carolina de Souza Nascimento, ofereceu grande aprendizado, com visita a um viveiro para ver as espécies nativas, trilha de reconhecimento das espécies em habitat natural próximas ao rio e lagos, reconhecimento das espécies observadas durante a trilha e construção de um mapa do local e plantio de árvores. Esse curso agregou no aprendizado na área ambiental, com participação de biólogos, engenheiro florestal e professores da rede municipal da cidade. Essas são algumas das ações dentre tantas outras que já foram realizadas nesses anos de parceria.

Encerramos este boletim destacando que continuam ocorrendo mensalmente reuniões virtuais com os membros – Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Fundação Florestal, Aventoriba, Parque Estadual Campos do Jordão, Comitê de Bacias Hidrográficas da Serra da Mantiqueira, PEACE, Altus Turismo, Associação de Vendedores de Pinhão, Educando e Cantando, Avepi, e Empresa Urbanis (Concessionaria PECJ) e sociedade civil) – da Câmara Técnica de Educação Ambiental PECJ que, mesmo em tempos de isolamento social, não deixou que seus projetos e objetivos fossem paralisados. Ressaltamos ainda que estamos abertos ao estabelecimento de novas parcerias para trabalhar junto a diversos públicos os temas pertinentes à educação ambiental, tema fundamental para que as pessoas se tornem mais conscientes sobre a sustentabilidade e a importância de construir um futuro mais limpo para as próximas gerações.

Referências

Museu Felícia Leirner e Auditório Claudio Santoro Plano Museológico 2018 rev. 2020 – Programa Educativo e Cultural

Patrimônio Ambiental

http://camposdojordao.sp.gov.br/Noticia/?i=1636&c=

2º TRIMESTRE

PROJETO FORA DA CAIXA

Não existe meio mais seguro para fugir do mundo do que a arte, e não há forma mais segura de se unir a ele do que a arte”. 

Johann Goethe

Dando continuidade à apresentação das ações e projetos realizados pela equipe educativa do Museu Felícia Leirner e Auditório Claudio Santoro, o boletim para educadores traz, em sua segunda edição de 2021, o Projeto Fora da Caixa

Realizado em parceria entre os setores de programação e educativo, o Projeto Fora da Caixa teve sua primeira edição em fevereiro de 2019, e desde seu início tem como objetivo aproximar os equipamentos culturais da população jordanense, levando atividades educativas, apresentações de artistas locais e divulgação de eventos e atrações para o centro comercial de Campos do Jordão. 

Com o intuito de criar o costume na população de participar das ações, foi estabelecido que o projeto acontecesse todas as últimas sextas-feiras de cada mês, em um ponto de fácil acesso e com maior circulação de pessoas. Foi estabelecida uma parceria com a Prefeitura Municipal de Campos do Jordão e a Secretaria de Cultura do município e, com isso, o Projeto Fora da Caixa pôde utilizar espaços públicos, como praças e gazebos, para garantir a infraestrutura necessária para a realização de cada ação. 

A execução das primeiras ações foi muito importante para que fosse possível conhecer o perfil do público participante, permitindo adaptar as atividades de acordo com a disponibilidade de tempo, e também os temas e as atividades sugeridas pelos próprios participantes.  Dentre as práticas exercidas destacamos o Jogo de Campos – jogo de tabuleiro gigante que conta fatos e curiosidades sobre o município -, a ação realizada em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura, como uma discussão aberta que teve como tema o artigo 27 da Declaração dos Direitos Humanos, em que o acesso à cultura é inegável a qualquer cidadão, e a participação  da equipe do Museu e Auditório levando o Fora da Caixa para o desfile cívico em comemoração aos 145 anos de Campos do Jordão. Na ocasião, foram apresentadas fotos das temáticas dos equipamentos culturais junto à um show de dança com os bailarinos do Grupo Olharte, inspirados na história e nas esculturas de Felícia Leirner; dentre tantas exibições musicais, o Dj Meszo esteve presente em grande parte das

ações. Foi disponibilizada, em uma das edições, uma mesa recheada de livros para doação, sendo possível perceber o grande interesse da população pela leitura, sendo assim inserida também no Projeto Fora da Caixa a doação de livros com a campanha “A cada livro perdido um leitor encontrado”. Desde então,durante todas as ações do projeto, é montada uma mesa repleta de livros, todos encapados em papel pardo e com um marca páginas feito em papel com um breve resumo do conteúdo do pacote, para que o leitor escolha o livro por seu conteúdo e não apenas pela capa.

Criado para levar apresentações artísticas, ações educativas e a divulgação das atrações do mês seguinte do Museu Felícia Leirner e Auditório Claudio Santoro para a população jordanense, o Projeto Fora da Caixa ganhou versões virtuais durante a pandemia, mas não deixou de aproximar os espaços culturais dos jordanenses. Sempre proporcionando ações educativas e artistas locais como as apresentações do Duo Rios Araujo, Banda Tardis, Camila Faria e a Orquestra Platanus. 

Encerramos este boletim com a certeza de que as ações realizadas dentro do Projeto Fora da Caixa são de extrema importância para intensificar e estreitar a relação entre a população e os equipamentos culturais, não só levando às praças da cidade nossas atividades educativas e apresentações musicais, como também mostrando ao jordanense o valor de sua participação nas ações cotidianas do Museu e Auditório para a construção de nossa história. Esperamos, com isso, que a presença dos cidadãos de Campos do Jordão seja cada dia maior e mais constante em nossos espaços.

Referências

Museu Felícia Leirner e Auditório Claudio Santoro Plano Museológico 2018 rev. 2020 – Programa Educativo e Cultural

1º TRIMESTRE

EM BUSCA DAS MEMÓRIAS PERDIDAS

“A história é testemunha do passado, luz da verdade, vida da memória, mestra da vida, anunciadora dos tempos antigos.”

Cícero

Preservar é defender, conservar, resguardar, dar relevância, destaque e importância, é uma atitude de cuidado e respeito. Ao preservar o patrimônio histórico, estamos resguardando a história, o desenvolvimento e a cultura de um povo, mantendo viva sua tradição cultural. E é pensando na preservação histórica que iniciamos 2021 trazendo, em nosso primeiro Boletim para Educadores, o projeto “Em busca das memórias perdidas”, uma campanha que pretende preservar a memória do Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão para as futuras gerações. 

Quem visita o Auditório Claudio Santoro pode conhecer as edições de catálogos do Festival de Inverno de Campos do Jordão, uma exposição que reúne 38 catálogos de algumas das 50 edições deste que é considerado o maior evento de música clássica da América Latina. 

“Poucos eventos culturais são tão longevos no Brasil e, na área musical, não há nenhum outro de tamanha importância. Essa constatação se estende para além de nossas fronteiras: há tempos Campos do Jordão é reconhecido como o principal festival de música clássica da América Latina, recebendo estudantes de muitos desses países…  Mesmo com profundas transformações sofridas no ambiente musical brasileiro das últimas décadas, o Festival permanece central para a formação musical de estudantes e uma referência para toda a comunidade musical. Também é reconhecido por sua capacidade de abrir caminhos, conectar pessoas e oferecer oportunidades que podem ser definitivas na carreira dos jovens músicos¹”.

O projeto “Em busca das memórias perdidas” visa encontrar catálogos de edições passadas que ainda não fazem parte da mostra. Todo material encontrado está exposto em vitrines e organizado cronologicamente, a partir de 1979. Assim, os visitantes podem acompanhar as mudanças que ocorreram nas respectivas capas, estruturas e projetos gráficos dos livretos. Além de conhecerem catálogos de anos específicos, o público pode, também, identificar de quais anos ainda não há o catálogo e, assim, contribuir com a campanha que desde o início, recebeu doações de alguns exemplares, como o caso do catálogo de 1980, doado pelo professor Antônio Fernando Costela e por Leda Campestrin Costella, do Museu Casa da Xilogravura. Buscamos, dessa forma, manter viva a história do Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão Dr. Luís Arrobas Martins, que reunida em catálogos formam um conjunto de patrimônio documental e que constitui a memória da sociedade. 

Os catálogos expostos na coleção ganharam, inclusive, uma atividade educativa, na qual todos os conteúdos das edições foram reunidos em um livreto simples com a capa em branco. Os participantes puderam conhecer curiosidades e destaques e, também, criar por meio de desenhos sua própria capa. 

Dentre os conteúdos presentes nos catálogos, temos edições completas com a história do evento desde a criação, informações sobre as orquestras que viriam a se apresentar, sobre professores, destaques musicais e bolsistas, além de datas e

horários de cada concerto. Algumas são de menor porte com informações genéricas sobre as apresentações, mais que ainda assim nos mostram fatos curiosos e interessantes sobre cada festival, por exemplo, a de 1985, quando em 20 de julho, no palco do Auditório Claudio Santoro, aconteceu às 18:00 horas um concerto sinfônico em homenagem à escultora Felícia Leirner. Em 1988, além dos concertos sinfônicos, o evento contou com apresentações de coral, dança e teatro; a edição de 1981 mostra que ocorreram eventos comunitários fora do auditório voltados ao gênero musical sertanejo, com apresentações das Irmãs Galvão, Inezita Barroso, Renato Teixeira e Sérgio Reis. Já outras edições receberam nomes como Milton Nascimento, Toquinho e Gal Costa, além de tantos outros grandes nomes da música nacional e internacional. Há, ainda, duas edições especiais, formadas pelos livros “Música nas montanhas – 40 anos de Festival de Inverno de Campos do Jordão” editado pela Santa Marcelina Cultura e lançado em 2009, e “50º Festival de Campos do Jordão” de 2019, publicações que procuram recuperar e manter viva a história do projeto. 

Finalizamos este boletim destacando o quanto se faz necessária a conservação de acervos bibliográficos como parte essencial da preservação da história e da cultura. Aqui, no Museu e Auditório fazemos nossa parte quanto aos cuidados necessários para que os catálogos em exibição permaneçam por um longo tempo. E agora que você já conhece um pouco mais do nosso projeto “Em busca das memórias perdidas”, encerramos convidando você a conhecê-lo pessoalmente e quem sabe colaborar com edições que ainda não fazem parte de nossa exposição.  Lembramos ainda que a equipe de educadores está constantemente pesquisando, se aprofundando e se atualizando diante da história do Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão Dr. Luís Arrobas Martins, e realizando atividades que levem ao nosso público um pouco mais sobre esse grande e histórico evento musical.

Referências

São Paulo / Brodowski. Junho / 2010. Documentação e conservação. De acervos museológicos: Diretrizes. Governo do Estado de São Paulo. ACAM Portinari.

São Paulo / 2008. Preservação de Acervos Bibliográficos – Homenagem a Guita Mindlin Organização: Norm Cassares e Ana Paula H. TANAKA. Governo do Estado de São Paulo

São Paulo / 2009. Música nas montanhas: 40 anos de Festival de Inverno de Campos do Jordão. Governo do Estado de São Paulo. Santa Marcelina Cultura. 

São Paulo / 2019. 50º Festival de Inverno de Campos do Jordão. Governo do Estado de São Paulo.

¹ Trecho extraído do livro comemorativo do Festival de Inverno de Campos do Jordão, publicação que procura recuperar a história do projeto. Seu ponto de partida é o livro Música nas Montanhas: 40 anos do Festival de Inverno de Campos do Jordão, editado pela Santa Marcelina Cultura em 2009. Todo o material, no entanto, foi revisto à luz de novos documentos. Além disso, uma nova pesquisa mapeou os últimos dez anos do evento.