1º quadrimestre de 2022

“Todas as cores concordam no escuro
Francis Bacon

O primeiro boletim de 2022 apresenta a técnica de pátina aderida pela artista Felícia Leirner nas obras em bronze, e também aborda a importância dos estudos e de conservação.

O bronze é muito utilizado por artistas plásticos por conta de sua resistência e, principalmente, pela capacidade de não sofrer deformação, não rompendo quando se aplica uma determinada força, vantagens quando comparadas aos outros materiais como mármore e cerâmica. Ele é um elemento que pode ser obtido somente por meio de uma união de ligas metálicas tendo como suas principais bases o cobre e o estanho, podendo conter também zinco, alumínio, chumbo, níquel, fósforo e etc., através da fundição em uma temperatura elevada a 1100ºC.

Mas, antes de obter a obra em bronze, o artista passa pelos processos de criação com diversas etapas que segundo o livro “A Fundição Artística no Brasil” (Sesi-SP), são: 1º – Criação e modelagem em argila; 2º – Modelagem em gesso ou silicone; 3º – Cópia em cera e aplicação do sistema de canais de alimentação e respiro; 4º – Moldagem refratária; 5º – Deceragem e calcinação do molde refratário; 6º – Fusão e vazamentos do metal líquido; 7º – Usinagem e tratamento da superfície, e 8º – Pátina e polimento.

A pátina é a última etapa de acabamento, pois é um processo de coloração feito por meio de reações químicas que imitam os efeitos naturais do metal após longo tempo de contato com a atmosfera. Esse banho químico serve para a proteção do bronze na obra.

Sem a pátina, as obras em bronze ficariam em sua totalidade na coloração dourada, momento em que o artista não faz a intervenção e deixa que o ambiente dê a pigmentação, devido à temperatura do local onde ela ficará exposta. Se tiver algo ácido na atmosfera, a coloração terá uma cor e, se tiver algo alcalino, ela irá sofrer outra. Um exemplo de como a atmosfera influencia na sua coloração, são as grandes Cúpulas no topo das igrejas antigas, que com a ação do vento faz com que elas tenham, às vezes, duas ou três colorações diferentes, isso ocorre por conta de ventar mais de um lado do que do outro e, geralmente, a ferramenta não foi banhada em sua fase de acabamento.

Quando o banho de pátina química é realizado, a obra seguirá as cores pensadas pelo artista/criador/fundidor, pois ele consegue dar a coloração que deseja, sendo ela com uma cor metálica; castanha; dourada; azulada ou esverdeada. 

Na etapa inicial da pátina é aplicada uma solução de nitrato de cobre sobre a superfície da peça, que com o uso de um pincel é acompanhada pela ação do fogo, precipitando uma coloração verde. A aplicação da segunda camada à base de nitrato de ferro é responsável pela coloração castanha e etc. A pátina tem como objetivo acelerar os efeitos de maneira controlada para dar proteção à superfície da obra. Estas fórmulas químicas resultam muitas vezes de anos de experiência de mestres fundidores e, por isso, se tornam segredos de profissão, conferindo beleza e originalidade às obras de arte.

O artista Victor Brecheret, que aprendeu sua técnica na Itália, no ateliê de Arturo Dazzi, que seguia os passos deixados por Auguste Rodin na Europa, também se aprimorou no Liceu de Artes e Ofícios em São Paulo, podendo mais tarde compartilhar seus conhecimentos com sua aluna Felícia Leirner. A artista, no entanto, aplicou os métodos em suas obras contidas nas fases Figurativa, A Caminho da Abstração e Abstrata que são em sua grande maioria produzidas em bronze, processos em que as obras ficam em uma coloração mais escura, uma cor preta esverdeada (nitrato de cobre e nitrato de ferro).

A conservação que compõe as três séries citadas acima, é destacada pela higienização e manutenção realizadas periodicamente pela equipe do Escritório de Conservação e Restauro Julio Moraes. O processo de limpeza é iniciado com a técnica de hidrojateamento, da qual remove sujidades, microrganismos alojados nas cavidades e as camadas antigas de cera. Após a secagem das peças, é iniciado o procedimento de enceramento, com a aplicação de uma pasta micro cristalizada e pigmentada de preto esverdeado. A função da cera é criar uma pátina artificial que protegerá o metal de processos de oxidação, gerados pela exposição das obras em contato direto com a natureza circundante.

Lembrando também que no Museu os fatores ambientais que interferem na conservação de obras estão relacionados aos níveis inadequados de umidade, temperatura, luz, sujidades em deposição, além do acúmulo de água exigindo que partes específicas das obras necessitem de higienização constante com o propósito de minimizar os impactos na pátina. A presença de insetos e pequenos animais também ameaçam a integridade das obras, pois agridem a pátina do bronze, pressupondo a presença constante de resíduos como dejeções, ovos e casulos. Não podendo esquecer que, ainda, no caso do bronze, a oxidação da estrutura também influencia nas características da obra.

REFERÊNCIAS

– MORAIS, FREDERICO. Felícia Leirner: a arte como missão. Campos do Jordão: Museu Felícia Leirner, 1991.

– Fundição Artística no Brasil: Artistic Casting in Brazil – arte, educação e tecnologia/ Serviço Social da Indústria (São Paulo); Prefácio de Gilberto Habib de Oliveira. SESI-SP editora, 2012.

– IGNÁCIO, Claudemir. Conversa para o Boletim de Acervo Museu Felícia Leirner 1° Tri. 2022.

– MUSEU FELICIA LEIRNER E AUDITORIO CLAUDIO SANTORO. Plano Museológico. ACAM Portinari: Campos do Jordão, 2021. MUSEU FELICIA LEIRNER E AUDITORIO CLAUDIO SANTORO. Programa de Acervo. ACAM Portinari: Campos do Jordão, 2021.

– SÃO PAULO, GOVERNO DO ESTADO DE; PORTIVARI, ACAM – Documentação e Conservação de Acervos Museológicos – Diretrizes – São Paulo / Brodowski: 2010.

Comentários:

O seu endereço de e-mail não será publicado.