1º QUADRIMESTRE
Caso não esteja visualizando, veja aqui.

O Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, Museu Felícia Leirner e ACAM Portinari, informam:

BOLETIM 29 Campos do Jordão | Abril | 2022

MUSEU FELÍCIA LEIRNER E SUSTENTABILIDADE: AÇÕES EDUCATIVAS E O COMPROMISSO COM O FUTURO.

“Satisfazer as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazer as suas próprias necessidades.”

Nosso Futuro comum, Brundtland, 1987

Durante anos, o homem se considerou o dominador da natureza, acreditando que os recursos naturais eram uma fonte inesgotável, tendo como papel principal de servir o bem-estar humano e o desenvolvimento econômico, transformando-se, portanto, em uma sociedade consumista, onde indústrias e fábricas extraiam o máximo de recursos do planeta para acumular riquezas e satisfazer o consumo exagerado da sociedade, sem se preocupar com a natureza e as futuras gerações. Estabelecer o desenvolvimento sustentável da nossa sociedade é fundamental para garantir que as próximas gerações encontrem um planeta com recursos suficientes para uma sobrevivência saudável. Pensando nisso, o primeiro boletim para educadores de 2022 traz como tema as ações educativas que têm compromisso com o futuro.

Em 1972, a Conferência de Estocolmo, primeiro evento realizado pela Organização das Nações Unidas (ONU) para discutir questões ambientais de maneira global, teve como objetivo discutir as consequências da degradação do meio ambiente. O encontro também abordou as políticas de desenvolvimento humano e a busca por uma visão comum de preservação dos recursos naturais.  Essa conferência foi de extrema importância para controlar o uso dos recursos naturais pelo homem, e lembrar que grande parte destes, além de não serem renováveis quando removidos da natureza em grandes quantidades, deixam uma lacuna, às vezes irreversível, cujas consequências serão sentidas futuramente. Desde então, a história do desenvolvimento sustentável passou a ser construída: Relatório de Brundtland (1987), AGENDA 21 (Rio 92), ODM (2000 – 2015), Rio +20 (2012) e os 17 Objetivos do Desenvolvimento sustentável (2015) AGENDA 2030.

Como Organização Social, a ACAM Portinari tem como missão gerir as unidades museológicas por meio de pesquisas, conservação e difusão dos acervos, com responsabilidade socioambiental, contribuindo para o desenvolvimento humano e comprometendo-se com a justiça social, a democracia e a cidadania. O Programa de Sustentabilidade Ambiental da ACAM Portinari tem como motivo: cumprir missões de preservação e comunicação de patrimônio com sustentabilidade ambiental, visando à redução dos impactos ambientais das atividades dos espaços culturais, e assegurar à comunidade que cada museu é parceiro e exemplo no bom uso dos recursos naturais. Baseando nesses princípios, apresentaremos a seguir algumas das ações educativas do Museu Felícia Leirner e Auditório Claudio Santoro que objetivam a conscientização e a preservação dos recursos naturais.

Visando proporcionar o maior contato com a natureza, as atividades Caça ao Tesouro Ambiental, Natureza Sensorial, Brincando com a Natureza, Descobrindo a Natureza, Cores da Mantiqueira, Você conhece nossa flora? e Relação com a Natureza têm como intuito demonstrar a relação obra/natureza e homem/natureza utilizando o acervo do museu, e apresentando aspectos importantes da fauna e flora local, enfatizando a importância da valorização e preservação do meio ambiente. Ainda com o objetivo de aprender sobre a fauna local, a ação Animais da Mata Atlântica utiliza materiais reaproveitados para confeccionar fantoches inspirados nos animais que estão presentes em uma área de aproximadamente 35mil² e que fazem parte de um importante remanescente de Mata Atlântica em Campos do Jordão (SP).

As atividades Aproveitando o que sobrou, Os três erres e eu, Confecção de Instrumentos Musicais incentivam a reutilização e o reaproveitamento de materiais que seriam descartados, realçando o consumo consciente e o descarte correto dos materiais. A contação de história Uma Gota Aventureira narra de forma simples e lúdica aspectos importantes sobre o ciclo da água, as formas de tratamento de esgoto, além de ressaltar a importância da economia de água, reconhecendo o valor do solo e da água para a vida, identificando seus diferentes usos e os impactos deles no cotidiano da cidade e do campo. Além de atividades que incentivam o reaproveitamento de materiais que iriam para o lixo, elementos encontrados na natureza local também fazem parte de ações educativas, como o Construindo Pássaros, por exemplo, que proporciona a criação de pássaros utilizando materiais naturais encontrados no Museu, tais como folhas, galhos, gravetos e sementes, valorizando assim a percepção em relação à natureza, objetivando a sua importância e ressignificando os materiais de forma lúdica.

Vale lembrar ainda que os projetos citadas acima fazem parte de uma gama extremamente ampla de atividades realizadas junto ao público e que, além das ações promovidas pela equipe educativa, todos os setores do Museu Felícia Leirner e Auditório Claudio Santoro trabalham em conjunto na busca por objetivos e compromissos institucionais visando à proteção das funções ecológicas, da biodiversidade e das condições ambientais da vizinhança, bem como a redução da emissão de gases do efeito estufa, economia do uso de água, energia elétrica e combustíveis, do consumo de materiais e a produção de lixo, evitando a poluição do ar, da água e do solo, minimizando danos ambientais da cadeia produtiva de materiais e serviços adquiridos, além de informar a comunidade sobre as ações de sustentabilidade ambiental.

Lembramos ainda que a equipe educativa mantém presença ativa na Câmara Técnica de Educação Ambiental – Parque Estadual Campos do Jordão, já mencionada em boletins anteriores, e está sempre aberta a firmar novas parcerias com o interesse de desenvolver ações que busquem práticas sustentáveis, além do constante estudo sobre o tema para criação de novas atividades, garantindo que as gerações futuras possam viver em um mundo mais equilibrado, que evolua sem causar danos aos ecossistemas e sem prejudicar o futuro do planeta.

Referências

  1. Sustentabilidade das Instituições e Processos Museais Ibero-Americanos  ̶ A construção de um Marco Conceitual Comum, apresentado por Patrícia Albernaz – Novembro, 2019
  2. SUSTENTABILIDADE EM MUSEUS: DO CONCEITO À PRÁTICA SECRETARIA DE CULTURA E ECONOMIA CRIATIVA – Unidade de Preservação do Patrimônio Museológico – Sistema Estadual de Museus de São Paulo – 22 de Novembro de 2019
  3. Programa de Sustentabilidade Ambiental – MUSEU FELÍCIA LEIRNER E AUDITÓRIO CLAUDIO SANTORO PLANO MUSEOLÓGICO 2018 rev. 2020
  4. https://brasil.un.org/pt-br/sdgs

Venha conhecer, participar, compartilhar dos nossos projetos e atividades.